A cirurgia – parte 1

Quando decidi tirar os dois seios, não sabia que o tumor era maligno, podia muito bem ser um cisto, mas eu já estava certa do que queria. Uma certeza grande dentro de mim se forma e sei que é o certo a fazer, obviamente que isto num momento seguinte foi conversado com o médico e ele apoiou minha decisão.

Com o resultado em mãos, mais claro estava para mim que precisava cortar o mal pela raiz. O doutor Diogo Franco, cirurgião plástico, colocaria os implantes e precisava agradecer por estar em ótimas mãos.

Na consulta ele me explicou que o implante no seio esquerdo (o saudável), seria simples de fazer, seria retirado o “recheio” e logo colocaria o silicone. O procedimento no seio direito seria diferente, ele já era menor, resultado da cirurgia de 5 anos atrás onde foi tirado o primeiro tumor e metade do seio (foi reconstruído e parecia um seio inteiro, mas não era 😮), sendo assim não haveria pele o suficiente para que ele ficasse do mesmo tamanho do outro. Além disso, já passou por radiação (radioterapia), então também não seria possível usar um expansor.

A solução seria um enxerto de pele que seria retirado das costas, especificamente daquela “gordurinha” que fica localizada próxima ao sutiã e o músculo daquela região, já que seria de suma importância para proteger a prótese e bombear sangue para a pele que teria que se “adaptar” ao seu novo local.

Topei tudo, obviamente, já que confio demais nos meus médicos e as mãos do cirurgião são mãos de artista. A delicadeza em como faz seu trabalho me deixa emocionada, a perfeição do resultado é impressionante e sublime.

 

Momentos antes da cirurgia

 

Operei na sexta-feira dia 28 de julho, numa cirurgia que demorou no total 8 horas. A equipe do mastologista entrou primeiro e logo após a cirurgia plástica. Meus familiares contam que estavam impacientes no quarto quando o doutor Augusto chegou para dar notícias, levantou os braços e comemorou! A parte dele estava feita e ao abrir o seio encontrou o tumor realmente localizado na parte inferior, essa era uma notícia incrível que deu novo fôlego à espera de todos. Agora só faltava a parte de reconstrução das mamas!!

Soube que enquanto as horas passavam a quantidade de ligações e mensagens para minha família, perguntando por mim ou desejando coisas boas, pessoas dizendo que estavam em oração, que haviam deixado meu nome nas igrejas/centros/templos e pediam incessantemente pela minha recuperação, foi emocionante. Nunca imaginei a mobilização que o amor nesse caso pode alcançar. Não imaginava que as pessoas me quisessem tão bem. O Caio, minha mãe, meu pai, tia, sogra e todos os meus, se sentiram amparados por vocês, eu inconsciente na sala de cirurgia devia estar recebendo toda essa luz, essa energia e milagres que todos nessa corrente maravilhosa me enviavam.

Ps: se quiser comentar, basta clicar no título do post. Abrirá uma janela com o campo de comentários abaixo 🙂
Obs: sempre consulte seu médico. As informações aqui passadas são exclusivamente referentes ao meu caso clínico

Gostou? Então compartilhe!