Quem disse que é fácil?

Oi, meus amores! Hoje é o quarto dia pós quimio e como os médicos haviam adiantado os sintomas realmente estão mais brandos. Não digo que é fácil, pois por menor que seja a reação o processo é cansativo e, num mundo ideal você nem precisaria estar passando por isso, não é mesmo!? Claro que quero meu corpo 100% de novo e sei que falta pouco, mas é importante dizer a todos vocês que não precisamos ser 100% fortes e motivados o tempo todo.

O limite “saudável” disto, nós mesmos precisamos ir administrando, ou seja, se na maior parte do tempo ficamos tristes, chateados, deprimidos, temos que pedir ajuda e acreditem… elas existem de várias formas. Sempre tem uma mão para segurar na nossa, seja a de um familiar, de um amigo, um terapeuta, de um guia religioso ou às vezes do próprio médico.

Comigo acontece ao contrário, na maior parte do tempo fico bem e isto é inerente a mim, acontece naturalmente, não me forço, por isso nas raras vezes que fico mais “irritada”, não me privo de sentir tudo aquilo. Choro mesmo, grito, fico com raiva, me desespero, fico murchinha. Isso tudo dosado não deixa de ser um estimulante, não deixa de me impulsionar para o final da meta. É incrível quando ainda assim vocês conseguem ver o final, a meta!

Um dos segredos é fazer de qualquer experiência o mais agradável que possamos e, cá para nós, geralmente temos as ferramentas para isso.

Quando fui na sexta passada para a primeira sessão da quimioterapia, fui equipada, até mencionei no texto anterior. Baixei séries e filmes, atualizei as playlists no Spotify, levei livro e acreditem se quiser, não usei nada, pois um dos remédios pré-quimio é um antialérgico que me deixou muito sonolenta, além do mais, estava com muito frio por conta da touca gelada (logo mais farei um texto sobre ela), então não queria nem me mexer, queria ficar quentinha dormindo entre um intervalo e outro, mas o essencial é que estava preparada.

Se as coisas acontecessem de forma diferente, podia ativar um dos recursos que levei para “passar o tempo” de melhor forma.Vou indicar aqui a playlist que uma amiga criou especialmente para mim e só tem música animada 👇🏻

 

Algumas séries que adorei e tem na Netflix 👇🏻
Billions (AMO essa série)
Truques da Mente (a gente acaba participando, pois tem alguns textos super legais)
The OA (só tem uma temporada, mas é envolvente)
Friends (é um clássico e tem muitos episódios)
Grey’s Anatomy (essa todo mundo já viu, né!? E acabou de sair temporada nova ;))

O livro que estou lendo é Emma da Jane Austen 😉

 

 

Vamos improvisar quando não for exatamente aquela música que gostaríamos de estar dançando, porque, estragar a festa jamais, né!? 💁🏼💃🏼

Ps: se quiser comentar, basta clicar no título do post. Abrirá uma janela com o campo de comentários abaixo 🙂

Gostou? Então compartilhe!

Vencendo Etapas!

Passada a cirurgia, já voltei a ser a Linda de sempre, bom, em termos de recuperação e voltar a ganhar meu movimentos. Incrível como o próprio corpo indica que está evoluindo bem ou não. No início, jamais consideraria a opção de levantar um pouco os braços, afinal não existia hipótese, além de sentir dor, sentia que tudo ia abrir, mas cada dia ia sentindo que podia um pouco mais. Tomar banho sozinha é umas das melhores coisas que existem e queridos, desde que não seja no salão, muito difícil alguém levar o seu cabelo melhor que você mesmo. Isso tudo parece bobo, mas são uma soma de pequenas vitórias e, na verdade, ao nosso olhar e o dos médicos, são grandes vitórias. Já fui em festa, encontrei muitos amigos, já consigo ir para a faculdade e resolver, seja lá o que for, por horas andado pra lá e pra cá.

 

 

Sei que a vitória vem em etapas e esta semana passarei pela segunda e, se Deus quiser, última fase: QUIMIOTERAPIA!!
Decidimos junto aos médicos fazer 4 ciclos de quimio e, como vocês devem ter percebido, estou muito tranquila. No início estava apavorada com a ideia, mas a própria vida e Deus vão acomodando tudo, de forma que quando você menos percebe, sente que o medo foi embora e está pronta!

Além do mais, o tratamento vai ser mais leve que da outra vez. Farei essas sessões de quimioterapia “branca”. Todo mundo sabe que pra mim a “vermelha” foi mais intensa e onde os sintomas mais se fizeram evidentes, pois ela é muito forte.

Desta vez a quimio não será a parte mais importante como foi da outra vez. A cirurgia, onde foi retirado o tumor foi o que mais significou e acabou com a doença. Então, para que preciso de quimio? Para garantir!!

Prevenir é melhor que remediar, mas neste caso minha prevenção é o próprio remédio. O fato dela ser mais leve e os coquetéis anti-enjoos serem melhores que em outra época, o fato de que já esteja mais preparada, digamos assim, me deixa menos nervosa. Mas o melhor de tudo é que assim que tomar a primeira dose, em três meses tudo terá acabado e se Deus quiser, pra sempre!

A minha estrutura espiritual, minha família, amigos e, claro, meu marido, fazem tudo ficar mais agradável, mas o mais importante é você mesmo, sua própria fé!⁠⁠⁠⁠

Ps: se quiser comentar, basta clicar no título do post. Abrirá uma janela com o campo de comentários abaixo 🙂

Obs: sempre consulte seu médico. As informações aqui passadas são exclusivamente referentes ao meu caso clínico

Gostou? Então compartilhe!

Como encurtar a distância!?

O que dizer dessa semana meus amores? Estamos numa correria pelo casamento que vocês nem imaginam. A família esta começando a chegar e me inspirei para falar um pouco deles e de todo o cenário que estou vivendo.

 

Há quase 5 anos, passamos pelo maior desafio de nossas vidas. Fomos testados. Naquela época não tivemos muitos familiares aqui, justamente pela distância. Basicamente passamos por tudo minha mãe, o Caio, sua mãe, meu pai e, lógico, eu. Fez falta tê-los por perto, mas a prova era nossa, o caminho teria que ser enfrentado por nós. Descobrimos a família em amigos e aprendemos a encurtar a distância com as ligações, orações que sei que foram abundantes e assim os que estavam longe se fizeram presente. Sempre há uma forma de levar esperança.

post2

 

O aprendizado foi grande e aprendemos todos. Ver o esforço de cada um para estar aqui presente neste momento tão especial de nossas vidas me fez perceber o quanto eles não querem que a distância “atrapalhe” de novo de estarmos juntos (fisicamente) em ciclos importantes um para o outro. Ouvi do meu tio, que chegou ontem, numa conversa que tinha com minha mãe, de como ele se sente culpado por não ter movido “mundos e fundos” para ter vindo na época da minha doença e que não estar aqui para meu casamento seria imperdoável (para ele mesmo). Agora valorizamos o quanto um abraço presencial pode ser importante, principalmente nestes períodos mais demarcados da vida.

Chegada do tio Dario

 


Como sou sempre dá opinião que Deus sabe o que faz mesmo a gente não entendendo, agora sei que nós (enquanto casal e até para minha mãe), que fomos mergulhados nessa água turva sem máscaras para respirar, que vivemos a flor da pele todo o processo nos seus altos e baixos, foi primordial para sermos pessoas diferentes, sei que precisávamos passar por isso “sozinhos”. Era essencial para nosso amadurecimento espiritual, para nossa fé alcançar outros padrões e para reconhecermos tantas outras coisas que hoje fazem toda diferença na nossa alma. Somo pessoas melhores, queremos ser pessoas melhores. Caio e eu temos algo especial e isso é indiscutível. Não, não sou modesta no meu relacionamento porque quando falamos de tesouros, temos que descrevê-los exatamente como são.

 

Espero que mais uma vez o universo me faça sorrir. Já esta fazendo, já estou agradecida.

 

Ps: se quiser comentar, basta clicar no título do post. Abrirá uma janela com o campo de comentários abaixo 😊

Gostou? Então compartilhe!