Touca Térmica

Chegou outubro e além desse mês ser super importante para a divulgação da prevenção do câncer de mama, eu estou super ansiosa, pois terei dois ciclos de quimioterapia, um que já fiz na última sexta feira dia 06/10 e a outro será dia 27/10. Os ciclos acontecem de 21 em 21 dias e se tudo ocorrer bem acabo dia 17/11. Lembrando que meu tratamento consiste em 4 doses, 2 já foram (eba!) e desta vez ele esta sendo preventivo, pois sou muito jovem, vale lembrar que NÃO estou mais doente, a cirurgia para a retirada dos seios que fiz no final de julho, foi super bem sucedida e extirpou o “problema”.

Mas vim aqui tirar algumas dúvidas sobre a touca térmica, como comentei no post anterior estou fazendo uso dessa tecnologia para preservar alguns fios. Abaixo vou colocar, com base nos dados oferecidos pela clinica onde faço o tratamento, algumas informações da touca, acho que esta bem “mastigadinho e completo:

 

Por que os cabelos caem?

A quimioterapia tem como alvo as células de divisão rápida, pois é assim que o câncer se comporta. O cabelo é formado por células que também se dividem rapidamente e por isso é afetado por muitos medicamentos quimioterápicos.

Como funciona o resfriamento?

O dano causado pela quimioterapia ao folículo capilar pode ser diminuído pelo resfriamento do couro cabeludo. A touca, ao reduzir a temperatura do couro cabeludo em alguns graus imediatamente antes, durante e após a administração da quimioterapia, faz com que o fluxo sanguíneo nos folículos capilares seja reduzido, prevenindo ou minimizando a queda do cabelo. Pesquisas demonstram que a técnica é eficaz para vários tipos de drogas, como: Epirrubicina, Doxorrubicina, Taxol e Taxotere.

Quanto tempo dura?

Cerca de 30 minutos de resfriamento pré-infusão, durante a infusão e até 90 minutos após a infusão da droga.

Dói?

Pode haver uma sensação de desconforto ou dor nos primeiros 10-15 minutos do tratamento, que passarão assim que você se acostumar com o frio. A respiração profunda pode ajudar bastante nos primeiros estágios do resfriamento do couro cabeludo. Agasalhe-se em camadas – mesmo em clima quente.

É 100% garantido?

O sucesso do procedimento depende de muitos fatores, como o tipo e estágio do câncer, idade, tipo de cabelo e saúde geral. É importante entender que a queda de cabelo varia de pessoa para pessoa e a retenção de todo cabelo não pode ser garantida. Durante o resfriamento, você pode experimentar alguma queda de cabelo, mas o ciclo de vida dos fios continuará.

fonte: Oncologia Dor

Este é o modelo da touca 😉

Para quem nos acompanha no instagram @umalindajanela fazemos vários stories atualizando sobre todo o processo, inclusive sobre o cabelo. No meu caso, a queda tem acontecido gradativamente, ficando mais intensa nestas últimas semanas, de fato, se não estivesse usando a touca já estaria careca, mas eles estão caindo bastante, super dá para disfarçar, mas o grande lance é o incômodo. O chão da casa, o travesseiro e a cama começaram a ficar cheios de fios, às vezes só de me mexer começam a cair pela roupa e, por conta disto, decidi cortar ele BEM curtinho ou raspar. O mais importante é nosso bem estar, no meu caso não gosto de ver meus cabelos voando por aí, praticidade para mim leva uma vantagem enorme.

Espero que eu tenha tirado algumas dúvidas 😉
Comentem o que acharam e compartilhem! Afinal, quem sabe onde essa mensagem pode chegar e quantos corações ajudar? (até rimou, rs).

Ps: se quiser comentar, basta clicar no título do post. Abrirá uma janela com o campo de comentários abaixo 🙂

OBS: esses pontos são referentes exclusivamente ao meu caso. Consulte sempre o seu médico.

Gostou? Então compartilhe!

Cabelos

Linda seu cabelo vai cair de novo? É uma pergunta frequente e mesmo quem não a faz diretamente, já deve ter pensado, não é mesmo?

O projeto Uma Linda Janela, veio justamente para isso, para responder todas estas questões, tratamos de aborda-las da forma mais leve possível, mas ainda assim sem maquiar nada. Estamos sendo sinceros aqui e nossa alegria é poder abrir nossas janelas a vocês.

Meu Oncologista o doutor Gilberto Amorim, especialista em oncologia mamária, estava se aprofundando em me explicar o tratamento desta vez e, eu o interrompendo algumas vezes, pois não me restringi em fazer inúmeras perguntas e ele muito dinâmico e perfeccionista me respondia todas da forma mais completa possível e quanto mais falava, mais ao final das orientações chegávamos. Então ele parou e desta vez quem tinha uma pergunta era ele: “Linda, estou curioso pois até agora você não me perguntou sobre os cabelos”.

Algumas pessoas não entram num determinado assunto por medo, não perguntam por pânico da resposta. Outros com perfil diferente querem saber os mínimos detalhes de tudo, ainda com medo, já que preferem estar preparados e entender em miúdos, é uma forma de defesa e, sinceramente, sempre me encaixei neste segundo perfil aqui. Por isso talvez o espanto do médico em não abordar o tema (ainda).

Não que o fato de perder os cabelos não me importe. Me importa sim, não vou ser hipócrita e dizer o contrário. Para falar a verdade acho que me importo muito mais desta vez do que na primeira há 5 anos. O motivo não está ligado à vaidade, mas por entender que desta vez o tratamento está mais leve e mais rápido, se tudo ocorrer bem, em novembro tudo acaba e ficar careca, por esse motivo, por enfrentar novamente a doença e ter que olhar no espelho e encarar essa “lembrança” por meses e mais meses, mesmo o tratamento tendo acabado e tendo sido tão rápido, me dá uma certa repulsa.

Ainda assim, para mim o mais importante é acabar este ciclo, cumprindo todas as recomendações dos especialistas e vencer novamente, por isso, a pergunta acabou ficando em segundo plano.

Doutor Gilberto, parece que em sintonia comigo, ao me explicar os efeitos desta quimioterapia e apontar uma possível queda dos fios, que diga-se de passagem é muito mais leve que aquele meu primeiro tratamento que me deixou carequinha em poucos dias, me sugeriu o uso de uma tecnologia nova que havia chegado na clínica há pouco tempo.

Disse que usando uma touca térmica gelada durante as sessões, combinado aos fato desta quimio já não apresentar uma queda tão acentuada nos fios, poderia ser muito efetivo (no meu caso). Além disso a possível queda aconteceria de forma mais uniforme e como o tratamento seria curto preservaria grande parte dos fios.

Gente, eu estou preparada para tudo!!

Na primeira sessão usei a touca e ainda não caiu nada, parece que a queda (pois ainda assim deve cair alguma coisa), começa a partir do décimo quarto dia, ou seja, só vou chegar lá no fim desta semana e assim vou contando para vocês. O efeito da touca varia de pessoas para pessoa, então só veremos o real efeito à medida que os dias forem passando.

Sei que devem ter ficado mega curiosos, por isso o próximo no post vou explicar tudo sobre o ela e exatamente como ela “trabalha” para preservar o máximo possível das madeixas. 🙆🏼

Se tiverem dúvidas me enviem, assim posso respondê-las também no próximo texto.
Não se esqueçam que o mais importante é chegarmos no fim da meta, seja com cabelos ou não 😉

Ps: se quiser comentar, basta clicar no título do post. Abrirá uma janela com o campo de comentários abaixo 🙂
OBS: esses pontos são referentes exclusivamente ao meu caso. Consulte sempre o seu médico.

Gostou? Então compartilhe!

Quem disse que é fácil?

Oi, meus amores! Hoje é o quarto dia pós quimio e como os médicos haviam adiantado os sintomas realmente estão mais brandos. Não digo que é fácil, pois por menor que seja a reação o processo é cansativo e, num mundo ideal você nem precisaria estar passando por isso, não é mesmo!? Claro que quero meu corpo 100% de novo e sei que falta pouco, mas é importante dizer a todos vocês que não precisamos ser 100% fortes e motivados o tempo todo.

O limite “saudável” disto, nós mesmos precisamos ir administrando, ou seja, se na maior parte do tempo ficamos tristes, chateados, deprimidos, temos que pedir ajuda e acreditem… elas existem de várias formas. Sempre tem uma mão para segurar na nossa, seja a de um familiar, de um amigo, um terapeuta, de um guia religioso ou às vezes do próprio médico.

Comigo acontece ao contrário, na maior parte do tempo fico bem e isto é inerente a mim, acontece naturalmente, não me forço, por isso nas raras vezes que fico mais “irritada”, não me privo de sentir tudo aquilo. Choro mesmo, grito, fico com raiva, me desespero, fico murchinha. Isso tudo dosado não deixa de ser um estimulante, não deixa de me impulsionar para o final da meta. É incrível quando ainda assim vocês conseguem ver o final, a meta!

Um dos segredos é fazer de qualquer experiência o mais agradável que possamos e, cá para nós, geralmente temos as ferramentas para isso.

Quando fui na sexta passada para a primeira sessão da quimioterapia, fui equipada, até mencionei no texto anterior. Baixei séries e filmes, atualizei as playlists no Spotify, levei livro e acreditem se quiser, não usei nada, pois um dos remédios pré-quimio é um antialérgico que me deixou muito sonolenta, além do mais, estava com muito frio por conta da touca gelada (logo mais farei um texto sobre ela), então não queria nem me mexer, queria ficar quentinha dormindo entre um intervalo e outro, mas o essencial é que estava preparada.

Se as coisas acontecessem de forma diferente, podia ativar um dos recursos que levei para “passar o tempo” de melhor forma.Vou indicar aqui a playlist que uma amiga criou especialmente para mim e só tem música animada 👇🏻

 

Algumas séries que adorei e tem na Netflix 👇🏻
Billions (AMO essa série)
Truques da Mente (a gente acaba participando, pois tem alguns textos super legais)
The OA (só tem uma temporada, mas é envolvente)
Friends (é um clássico e tem muitos episódios)
Grey’s Anatomy (essa todo mundo já viu, né!? E acabou de sair temporada nova ;))

O livro que estou lendo é Emma da Jane Austen 😉

 

 

Vamos improvisar quando não for exatamente aquela música que gostaríamos de estar dançando, porque, estragar a festa jamais, né!? 💁🏼💃🏼

Ps: se quiser comentar, basta clicar no título do post. Abrirá uma janela com o campo de comentários abaixo 🙂

Gostou? Então compartilhe!